Crítica: A Vida e a História de Madam C.J. Walker

Domingo, 29 de março de 2020                                                                                                                    Texto: Patrícia Piquiá

 

A minissérie de drama americana é baseada na biografia “On Her Own Ground” de A'Lelia Bundles e estrelada pela ganhadora do Oscar Octavia Spencer.

 

Madam C.J. Walker' desembaraça fios da interseccionalidade – Preta ...

 

A minissérie, baseada em fatos reais, conta a história de Sarah (Octavia Spencer) uma filha de escravos libertos na virada do século XX. Sarah era casada e apanhava do marido. Quando seu cabelo caiu muito, seu marido a abandonou. Sarah sofreu muito e trabalhava bastante para se sustentar e a filha pequena. Quando trabalhava como lavadeira na casa de Andie, dona de produtos de beleza, a patroa a ajuda a recuperar o seu cabelo, com seu milagroso creme para fazer o cabelo crescer. Sarah recobra confiança, casa-se novamente e deseja melhorar de vida. Pede a Andie para trabalhar como uma de suas vendedoras, mas a patroa recusa, alegando que Sarah não tem perfil. Sarah não gosta disso e resolve romper com Andie e criar seu próprio produto. A partir desse momento as duas se tornam rivais.

 

Série que conta a história da primeira negra milionária é boa ...

 

Mas com muito esforço e dedicação a afro-americana Madam C.J. Walker vence a pobreza, constroi um império de produtos de beleza e se torna a primeira milionária pelo próprio esforço dos EUA. Sarah foi um ativista dos direitos dos negros em especial das mulheres, pois o problema de queda de cabelo e da falta de produtos de beleza para mulheres negras era uma lacuna de mercado devido ao preconceito contra os negros, que não eram considerados bonitos. Lutou pelo empoderamento das mulheres negras, que eram marginalizadas pela sociedade e a quem ela oferecia emprego e autoestima elevada com seus produtos.

 

A minissérie é curta, tem apenas 4 episódios de mais ou menos 50 minutos, mas tem uma beleza e leveza apesar do seríssimo problema da preconceito.Tem humor, além da história de superação e empoderamento de Sarah ser ainda muito relevante nos dias de hoje e Octavia conduz o papel de forma brilhante. Eu gostei e recomendo muito.

 

A minissérie estreou dia 20 de março na Netflix.

 

Nota: 3,5 / 5,0