Crítica: Pacarrete

Quarta-feira, 26 de junho de 2020                                                                                                                    Texto: Patrícia Piquiá

 

O filme nacional é estrelado por Marcelia Cartaxo e foi o grande vencedor do Festival de Gramado de 2019.

 

Pacarrete" é aplaudido de pé na abertura do Festival de Vitória ...

 

Pacarrete (Marcelia Cartaxo) é uma bailarina idosa que vive em Russas, cidade do interior do Ceará. Ela sempre sonhou em ser artista e ir para Paris, mas não pode e se tornou professora em Fortaleza e depois volta para o interior para cuidar da irmã doente. Ela decide fazer uma apresentação de ballet na festa de 200 anos da cidade como presente para o povo. Mas parece que ninguém se importa.

 

Pacarrete' vence o 47º Festival de Gramado - Jornal O Globo

 

A personagem Pacarrete é inspirada em fatos reais que fizeram parte da infância do diretor do longa Allan Deberton.

 

Pacarrete quer dizer Margarida em Francês, uma metáfora ao ser diferente ao meio do senso comum do interior do Nordeste. Pacarrete gosta de ballet, francês e música clássica em meio ao forró e ao agreste. Tenho muita memória afetiva por ser descendente de cearenses, já vi muitas personagens reais como Pacarrete, lutando por beleza no meio do sertão. Meio Dom Quixote em meio aos moinhos de vento.

 

O filme é lindo, uma metáfora sobre os sonhadores, os velhos, as mulheres, os marginalizados e sobre os amantes da cultura que sofrem sem incentivo e apoio nos interiores do Brasil. Que tentam resistir contra todas as adversidades de se encaixar ao popular, ao fácil, ao lucro desmedido.

 

Infelizmente o longa teve a estreia adiada por conta da pandemia, mas teve em pré-estreia 26 a 27 de junho em streaming no Festival Cinema em casa do Espaço Itaú Cinemas no site do Looke.

 

Por enquanto não tem estreia prevista.

 

Nota: 5,0 / 5,0